English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

domingo, 27 de janeiro de 2013

- Luto -

Fala pessoal, belezinha?

Hoje, a primeira coisa que vejo na TV é uma tragédia dessa. Preferia acordar e perceber que foi um pesadelo. 232 jovens!

Não, não foi nenhum dos meus amigos, mas foram tantos jovens como eles. Não foi nenhum dos meus familiares, mas foram familiares de tantas outras pessoas...

Imagine quantos pais não perderam seu único filho? Quantos jovens que passaram no vestibular, ou até mesmo já iriam se formar? Uma vida toda a ser vivida pela frente.

Foram 232 futuros interrompidos. Triste saber que apenas uma saída de emergência foi liberada. Além disso, os seguranças não quiseram liberar as pessoas por que queriam que eles pagassem a comanda para poder sair.

Deixa eu entender, eles não puderam sair sem pagar, mas pudiam ficar lá e morrer? 

Lamentável. Não tem como não se comover com uma tragédia dessa.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Hoje de manhã eu me cortei ...

Sabe, hoje de manhã eu me cortei. Estava fazendo faxina e arrumando a casa e, num descuido, num instante de idiotice momentânea, consegui enfiar a ponta de uma faca na minha mão, bem ali entre os dedos polegar e o indicador da minha mão esquerda.

Sabe, doeu muito, muito mesmo. Na hora, sabe como é, cheguei até a pensar que poderia perder o movimento de um dos dedos, outra idiotice, mas é assim, pelo menos comigo é sempre assim, sempre exagero um pouco mais na hora da dor.

Também ali, naquele momento, a vontade que me deu foi de jogar tudo pra cima, de parar com o que estava fazendo e que se dane. Mas, poxa, se eu parasse, quem iria continuar? A casa estava uma bagunça, estava suja e eu era a única pessoa ali. Era eu ou eu. Se eu não fizesse, ninguém faria por mim.

Sabe, parei um pouco e fiquei segurando o corte com a mão direita, apertando para ajudar a estancar o sangue. Demorou, mas estancou. Latejou muito, mas também passou. Ainda sentindo um pouco de dor, retomei as atividades, organizei e limpei a casa.

Sabe, agora estou aqui com a mão ainda doendo um pouco, mas nada demais. Pode ser que fique uma cicatriz ali onde está o corte, mas pode ser que nem fique, não sei, só o tempo dirá.

Sabe, estava pensando que a vida é assim mesmo. Sem querer, num momento desavisado, a gente se corta. Na hora parece que o mundo vai acabar, a gente não quer fazer mais nada, mas, poxa, se a gente não fizer, quem vai fazer? 

Ninguém fará por nós o que é nossa obrigação, ninguém fará por nós o que viemos para fazer, ninguém viverá por nós a nossa vida. O jeito é esperar um pouco até parar de sangrar e retomar.

Logo logo a dor passa, pode ficar uma cicatriz, pode nem ficar, só o tempo dirá.

Sabe ... hoje de manhã eu me cortei, mas já sarou!

Extraído do livro: "Você já escutou o silêncio?" de Alexandre Spinelli

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Coisas esquecidas ...

Coisa boa é o tempo de namoro. Tempo quando sentimos que somos importantes. O outro preocupa-se, telefona, faz carinho, diz coisas ridiculamente lindas ao nosso ouvido, faz surpresas, dá a mão e beijos intermináveis.

Mas a longa convivência vai apagando aos poucos o essencial de um relacionamento. Acostuma-se tanto ao outro que certas coisas perdem o sentido.

Esquece-se do beijo na saída e na chegada. E... de antes de dormir.

Esquece-se do abraço bem apertado que diz tanto sem dizer nada.

Esquece-se de datas importantes e comuns aos dois.

Esquece-se de andar lado a lado.

Esquece-se do te amo, do estou feliz porque tenho você.

Esquece-se do poder de uma flor.

Esquece-se... do namoro!

Fala-se do passado como do bom tempo, mas ... passado!

E as pessoas surpreendem-se por viverem tão afastadas vivendo juntas. Um se deita mais cedo, o outro mais tarde; um se levanta, o outro fica. Fazem amor por obrigação.

Culpa de quem? Dois dois. Quando há um problema entre um casal a culpa é fatalmente dos dois lados. Uma coisa conduz a outra.

E muitos casais seguem assim. Juntos, apesar de tudo, cada um do seu lado sofre interiormente de solidão. Cada um sonha, secretamente, com emoções esquecidas, com grandes paixões. E ninguém pensa em reacender a brasa. Ninguém pensa em reconquistar o que se tem, justamente porque se tem. Mas há tanto que pode ser feito!

Lembre-se das coisas esquecidas! Lembre-se do início. O que foi mesmo que te conquistou no outro? Inversamente, pense no que foi em você que conquistou o outro coração. Reaviva a chama!

Nunca permita que o essencial morra por causa de trabalho, estresse, filhos e atividades extras.

É essencial estar juntos. Mas, mais que isso, amar juntos de amor inteiro.

É preciso cuidar do amor como se cuida de algo frágil. A pessoa amada não faz parte dos móveis da casa. Cuide dela e cuide-se. Antes que a vida a dois caia no esquecimento.

Não se esqueça de lembrar-se das coisas esquecidas! Amor não é só coisa para os jovens não. Paixão faz bem em qualquer idade. Carinho nunca é demais. Atenção cativa. Reaprenda a amar aquela pessoa que um dia fez bater seu coração mais forte.

Muitas coisas podem ficar esquecidas. Mas o amor, ele mesmo, nunca se esquece!

Letícia Thompson

domingo, 6 de janeiro de 2013

Fragmentando com Ana Jácomo

Às vezes, na estranha tentativa de nos defendermos da suposta visita da dor, soltamos os cães, apagamos as luzes, fechamos as cortinas e trancamos as portas com chaves, cadeados e medos. 

Ficamos quietinhos, poucos movimentos ... nesse lugar escuro e pouco arejado, pra vida não desconfiar que estamos em casa.

A encrenca é que, ao nos protegermos tanto da possibilidade da dor, acabamos nos protegendo também da possibilidade de lindas alegrias.

Impossível saber o que a vida pode nos trazer a qualquer instante, não há como adivinhar se fugirmos do contato com ela, se não abrirmos a porta.

Não há como adivinhar ...

E, se é isso que nos assusta tanto, é isso também que nos dá esperança.

Ana Jácomo

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Reinvente-se ...

Todo o dia quando você se levanta, a vida lhe presenteia com mais uma oportunidade para mudar, crescer e evoluir. Mas nós, acostumados com a nossa rotina diária, relegamos esta oportunidade e passamos mais 24 horas sem realizar nada de novo, nada surpreendente, continuamos algemados a nossa limitações diárias, tomamos o mesmo café, fazemos o mesmo caminho para o trabalho, levantamos e vamos dormir praticamente no mesmo horário, realizamos as mesmas tarefas, almoçamos e jantamos uma variação limitada de alimentos, amamos sempre do mesmo jeito, tornando a vida mais uma atividade a ser cumprida ... 

Pára tudo!

Conheço pessoas que sonham com um amanhã diferente cheio de aventuras e oportunidades mas não têm espaço na agenda para fazer isso, enfim estão procrastinando a vida. Parecem que estão apenas acumulando os anos para se aposentarem da vida.

Sendo assim, reinvente-se!

Acorde mais cedo e assista o nascer do sol, altere o cardápio do café da manhã, faça caminhos diferentes para o trabalho, desligue o celular, leia os outdoors na rua, estacione o carro sempre de um modo diferente, almoce com pessoas diferentes em lugares diferentes, mude seu visual, deixe bilhetes apaixonados pela casa para a pessoa que ama, elogie seus filhos, assista um filme antigo com valores atualmente esquecidos sem medo de se emocionar, descubra os seus sonhos e os coloque na frente da sua lista de prioridades, recupere aquela energia de quando tinha pouco mais de 20 anos e a sensação de que o mundo estava a seus pés, pronto para ser conquistado.

Enfim ... mude algumas atitudes e surpreenda a si mesmo.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

A felicidade é cotidiana!

Fala pessoal, belezinha?

Por mais que às vezes eu reclame das coisas, sou uma pessoa muito feliz pelo simples fato de poder respirar, conhecer sensações, descobrir as inúmeras possibilidades que a vida nos oferece, enfim, fico encantado toda vez que dou conta de que eu existo, e mesmo reconhecendo que a minha existência não faz diferença significativa para a humanidade, sei também que o mundo não seria o mesmo sem mim, assim como ele seria outro se existisse uma estrela a menos no céu ou uma gota a mais no oceano, pois nada é igual ... somos todos únicos!

Amo aquela impressão que sentimos quando estamos no lugar mais alto que nossa vista alcança, com o vento tocando nosso rosto sob um céu azul e então abrimos os braços de modo quase instintivo como se tudo que está a nossa volta nos pertencesse.

Graças a Deus, diariamente temos motivos para sorrir, e é justamente pelo fato de a felicidade ser cotidiana que perdemos a capacidade de percebê-la, então, temos a impressão de usufruir tal sentimento apenas sob o efeito de acontecimentos raros. 

Agora pare e pense: 

Para quantos dias de lindo sol temos um dia terrível de chuva? Quantos dias nós gozamos de saúde e quantos sofremos com alguma enfermidade? Pegue papel e caneta, ou melhor, pegue a calculadora e faça as contas!

É por isso que a cada dia, ando mais apaixonado pela vida! E se eu tivesse controle sobre ela, botõezinhos como "stop" não existiriam! Eu ia querer viver em câmera lenta! Abriria mão de dublês e viveria todas as emoções sem a ajuda de efeitos especiais!

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Bom Dia ...

Desejo que as mudanças de fato aconteçam em sua vida. Que você encontre aquela pessoa especial, aquele emprego tão desejado. Que consiga o perdão de quem você ama, mas que perdoe também. Que apenas pessoas especiais cruzem o seu caminho, que você consiga reconstruir aquela amizade abalada, que aquele parente doente se recupere. Que Deus nos dê disposição pra buscar nossos sonhos. 

Por que eu sei, às vezes, o quanto é difícil continuar.

Então, feliz continuidade pra você em 2013. E lembre-se: quer mesmo um ano novo, uma vida nova? Se abra para as mudanças. Nada muda, se você não muda. Você tem à sua frente 365 novas oportunidades ... aproveite-as olhando para frente, sem esquecer o que ficou lá atras ... o seu aprendizado!

(Texto de Isabel Moraes com algumas modificações)