English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Fragmentando ...

Vasculhando meu baú de memórias, me vejo agora na sala da casa de minha avó, com uma camisetinha listrada de bege com marrom claro, um short e chinelinho de dedo. Devo ter entre sete e oito anos. Estou sentado de pernas cruzadas em cima do sofá, esperando que minha avó acabe de passar rodo no chão, após ter lavado a sala. Os filetes de sol adentram o lugar e sinto-me bem. Olho um pouco pela janela e consigo ver a mangueira tão lotada que sinto o cheiro das mangas dali.

Minha avó em determinada hora liga a televisão e passava no momento um filme, que depois de alguns minutos me chamou a atenção. Era uma dupla de comediantes muito boa, um deles tinha uma voz engraçada, o outro era mais galã. Conheci ali um cara que sabia fazer você rir. Seu nome? Jerry Lewis.

Acho que desde aquele dia, tornei-me apreciador de filmes antigos, onde o que imperava eram boas estórias, bom humor, atores e atrizes belíssimos que conseguiam mexer com nossas emoções de um modo único. E olha - assisti muito Jerry Lewis, junto com Gene Kelly, o galã.

Ambos representavam, cantavam e pasmem, dançavam muito bem. Aliás, eram dotes imprescindíveis aos atores da época: cantar, dançar e representar visto que a maioria dos filmes da época, serem musicais. O forte era o sapateado, tanto que não conseguia piscar os olhos para não perder nada. O fato é que fiquei feliz em descobrir o cinema, tanto que as sessões da tarde eram muito aguardadas. Mais tarde pude me identificar como cinéfilo, mas deste tipo de filme que contém valores que hoje não vemos nos filmes atuais, tais como amor, compaixão, pureza, sentimentalismo, apego e inocência.

Infelizmente nota-se hoje nas telas um número cada vez mais alarmante de violência, sexo, estupros, roubos e assassinatos que se tornam mais interessantes se estiverem recheados com muito requinte e crueldade. Mas, se me permitem dizer, acredito que refletem a época em que vivemos, conforme descrito no livro de 2ª Timóteo 3:1-4.

Conseqüentemente alguns imitam a chamada “arte” e vemos cópias idênticas de crimes e assassinatos vistos em algum filme por alguém, estampados nas páginas de algum caderno policial de um jornal local. É claro que temos atualmente bons filmes e atores excelentes, embora os textos deixam demais a desejar no quesito “palavrões desnecessários”.

Mas voltando ao saudosismo dos tempos de outrora, quando tiver a oportunidade, assista a um bom filme antigo com um olhar juvenil, tenho certeza que irá gostar muito. Reviva ou veja em premiére, ao menos para você, o retrato de uma época cinematográfica que infelizmente não volta mais, mas ainda bem que existem os DVDS.

Deixo para vocês da geração atual, que não puderam apreciar comédias com Jerry Lewis, um trecho de um filme que gostei demais de ver e esta cena principalmente embora engraçada, me emociona demais pela simplicidade baseada num humor diferente e inteligente. O filme em inglês, se intitula: “Who’s Minding The Store?”, de 1963. No Brasil o filme se chamava Errado pra Cachorro. Apreciem!


PARA ASSISTIR AO VÍDEO COM ÁUDIO, PAUSE A TRILHA DO BLOG:


sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

MORTE

Nunca nos encontramos, jamais o conheci e tão pouco nos falamos via msn ou telefone, mas tínhamos algo em comum: o amor a Jeová. Falo de Cléber Soares de Oliveira, 25 anos, Servo Ministerial que passava férias em Camaçari (BA). Pelo que soube, ele era de São Paulo, Itaquaquecetuba (Jardim Luciana).

Infelizmente no dia 31/01/2010 em Jacuípe, nosso amado irmão faleceu, vítima de afogamento. Conseguiu chegar com vida ao posto, mas teve parada respiratória, no caminho do hospital geral de Camaçari, pois sofria de asma. Fiquei muito triste, males deste sistema de coisas!

Já perdeu alguém querido na morte ? Se afirmativo, saiba que a Bíblia promete uma ressurreição, sim, uma ressureição! Imagine a grande emoção que terá em poder novamente abraçar, falar e conviver com quem se foi e que você amou muito. Isso será possível. Jeová jamais esquecerá de Cléber, que tão jovem se foi. Eu acredito! Você também pode ter a mesma esperança baseada nas promessas do Deus que não pode mentir.

Mano Cléber, logo terei a oportunidade de conhecê-lo num mundo melhor e livre de tanto sofrimento, violência e morte. Para isso, precisamos continuar a perseverar!

BOAS NOTÍCIAS SOBRE A MORTE

Para milhões de humanos, a morte é como um sono do qual serão acordados. Certa vez, referindo-se a um amigo que havia morrido, Jesus disse aos seus discípulos: “Lázaro, nosso amigo, foi descansar, mas eu viajo para lá para o despertar do sono.” Quando Jesus estava a caminho do túmulo memorial, ele encontrou muitas pessoas chorando. Ao chegar ao túmulo, ele pediu que o abrissem e chamou: “Lázaro, vem para fora!” O homem que havia estado morto por quatro dias saiu. (João 11:11-14, 39, 43, 44)

Visto que o corpo de Lázaro já estava em decomposição, Jesus mostrou assim que Deus pode se lembrar de tudo sobre os mortos — sua personalidade, sua memória e sua aparência. Ele pode fazê-los viver novamente. Em outra ocasião, Jesus disse: “Vem a hora em que todos os que estão nos túmulos memoriais ouvirão a sua voz [isto é, a de Jesus] e sairão.” — João 5:28, 29.

Dando-nos notícias ainda melhores sobre esse assunto, a Bíblia declara: “Como último inimigo, a morte há de ser reduzida a nada.” (1 Coríntios 15:26)

Nunca mais pessoas desoladas pela dor terão de ir a um cemitério enterrar alguém amado. A Bíblia diz: “Não haverá mais morte.” (Revelação [Apocalipse] 21:4)

Concorda que o conceito da Bíblia sobre o que acontece na morte é consolador?

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Filtro Solar - Pedro Bial

Se eu pudesse dar uma só dica sobre o futuro, seria esta: Use filtro solar.

Os benefícios a longo prazo do uso de filtro solar estão provados e comprovados pela ciência; já o resto de meus conselhos não tem outra base confiável além de minha própria experiência errante.

Mas agora eu vou compartilhar esses conselhos com vocês. Aproveite bem, o máximo que puder, o poder e a beleza da juventude. Ou, então, esquece ...
Você nunca vai entender mesmo o poder e a beleza da juventude até que tenham se apagado. Mas, pode crer, daqui a vinte anos, você vai evocar as suas fotos e perceber de um jeito - que você nem desconfia hoje em dia quantas tantas alternativas se lhe escancaravam à sua frente, e como você realmente tava com tudo em cima.

Você não é tão gordo(a) quanto pensa!

Não se preocupe com o futuro. Ou então preocupe-se, se quiser, mas saiba que pré-ocupação é tão eficaz quanto mascar chiclete para tentar resolver uma equação de álgebra. As encrencas de verdade de sua vida tendem a vir de coisas que nunca passaram pela sua cabeça preocupada, e te pegam no ponto fraco às quatro da tarde de uma terça-feira modorrenta.

Todo dia enfrente pelo menos uma coisa que te meta medo de verdade.

Cante!

Não seja leviano com o coração dos outros. Não ature gente de coração leviano. Use fio dental. Não perca tempo com inveja. Às vezes se está por cima, às vezes por baixo. A peleja é longa e, no fim, é só você contra você mesmo.

Não esqueça os elogios que receber. Esqueça as ofensas. Se conseguir isso, me ensine. Guarde as antigas cartas de amor. Jogue fora os extratos bancários velhos.

Estique-se!

Não se sinta culpado por não saber o que fazer da vida. As pessoas mais interessantes que eu conheço não sabiam, aos vinte e dois, o que queriam fazer da vida. Alguns dos quarentões mais interessantes que conheço ainda não sabem.

Tome bastante cálcio!

Seja cuidadoso com os joelhos. Você vai sentir falta deles. Talvez você case, talvez não. Talvez tenha filhos, talvez não. Talvez se divorcie aos quarenta, talvez dance ciranda em suas bodas de diamante.

Faça o que fizer, não se auto-congratule demais, nem seja severo demais com você. As suas escolhas tem sempre metade das chances de dar certo. É assim pra todo mundo.

Desfrute de seu corpo. Use-o de toda maneira que puder. Mesmo. Não tenha medo de seu corpo ou do que as outras pessoas possam achar dele. É o mais incrível instrumento que você jamais vai possuir.

Dance!

Mesmo que não tenha aonde além de seu próprio quarto. Leia as instruções, mesmo que não vá segui-las depois. Não leia revistas de beleza. Elas só vão fazer você se achar feio.

Dedique-se a conhecer os seus pais. É impossível prever quando eles terão ido embora, de vez. Seja legal com seus irmãos. Eles são a melhor ponte com o seu passado e possivelmente quem vai sempre mesmo te apoiar no futuro.

Entenda que amigos vão e vem, mas nunca abra mão de uns poucos e bons. Esforce-se de verdade para diminuir as distâncias geográficas e de estilos de vida, porque quanto mais velho você ficar, mais você vai precisar das pessoas que conheceu quando jovem.

More uma vez em Nova York, mas vá embora antes de endurecer. More uma vez no Havaí, mas se mande antes de amolecer.

Viaje!

Aceite certas verdades inescapáveis: Os preços vão subir. Os políticos vão saracotear.Você, também, vai envelhecer... E quando isso acontecer, você vai fantasiar que quando era jovem, os preços eram razoáveis, os políticos eram decentes e as crianças, respeitavam os mais velhos.

Respeite os mais velhos!

E não espere que ninguém segure a sua barra. Talvez você arrume uma boa aposentadoria privada. Talvez case com um bom partido. Mas não esqueça que um dos dois pode de repente acabar.

Não mexa demais nos cabelos senão quando você chegar aos quarenta, vai aparentar oitenta e cinco. Cuidado com os conselhos que comprar,mas seja paciente com aqueles que os oferecem. Conselho é uma forma de nostalgia. Compartilhar conselhos é um jeito de pescar o passado do lixo, esfregá-lo, repintar as partes feias e reciclar tudo por mais do que vale.

Mas no filtro solar, acredite!