English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Ano Velho

Daqui a pouco o ano termina. Com a ida dele, chega a expectativa. 

O desejo de fazer diferente, a vontade de modificar o que não está legal, a ânsia de crescer e abraçar todos os planos do mundo. 

Finais de ano servem de balanço, de balança. A gente vai e vem, o pensamento viaja, o coração faz retrospectiva, a memória guarda o que foi bom e tenta passar a perna na parte amarga.

Clarissa Corrêa

sábado, 20 de dezembro de 2014

A Lista

Faça uma lista de grandes amigos. Quem você mais via há dez anos atrás.

Quantos você ainda vê todo dia? Quantos você já não encontra mais?

Faça uma lista dos sonhos que tinha. Quantos você desistiu de sonhar?

Quantos amores jurados pra sempre e quantos você conseguiu preservar?

Onde você ainda se reconhece? Na foto passada ou no espelho de agora?

Hoje é do jeito que achou que seria? Quantos amigos você jogou fora?

Quantos mistérios que você sondava ... quantos você conseguiu entender?

Quantos segredos que você guardava, hoje são bobos ninguém quer saber?

Quantas mentiras você condenava e quantas você teve que cometer?

Quantos defeitos sanados com o tempo, eram o melhor que havia em você?

Quantas canções que você não cantava, hoje assovia para sobreviver?

Quantas pessoas que você amava ... hoje acredita que amam você?

Oswaldo Montenegro

domingo, 16 de novembro de 2014

Cuidado!

Há bastante deslealdade, ódio, violência, absurdo no ser humano comum para suprir qualquer exército em qualquer dia.

E o melhor no assassinato são aqueles que pregam contra ele. E o melhor no ódio são aqueles que pregam amor, e o melhor na guerra, são aqueles que pregam a paz. Aqueles que pregam Deus precisam de Deus, aqueles que pregam paz não têm paz, aqueles que pregam amor não têm amor.

Cuidado com os pregadores, cuidado com os sabedores. Cuidado com aqueles que estão sempre lendo livros. Cuidado com aqueles que detestam pobreza ou que são orgulhosos dela.

Cuidado com aqueles que elogiam fácil, porque eles precisam de elogios de volta. Cuidado com aqueles que censuram fácil, eles têm medo daquilo que não conhecem. Cuidado com aqueles que procuram constantes multidões, eles não são nada sozinhos. 

Cuidado com o homem comum, com a mulher comum ... cuidado com o amor deles. 

O amor deles é comum, procura o comum, mas há genialidade em seu ódio, há bastante genialidade em seu ódio para matar você, para matar qualquer um. Sem esperar solidão, sem entender solidão eles tentarão destruir qualquer coisa que seja diferente deles mesmos.

Charles Bukowski

sábado, 18 de outubro de 2014

Ah! Se vendessem paciência!

Ah! Se vendessem paciência nas farmácias e supermercados ... muita gente iria gastar boa parte do salário nessa mercadoria tão rara hoje em dia.

Por muito pouco a madame que parece uma "lady" solta palavrões e berros que lembram as antigas "trabalhadoras do cais". Já o bem comportado "cavalheiro" se transforma numa "besta selvagem" no trânsito que ele mesmo ajuda a tumultuar.

Os filhos atrapalham, os idosos incomodam, a voz da vizinha é um tormento, o jeito do chefe é demais para sua cabeça, a esposa virou uma chata, o marido uma "mala sem alça". Aquela velha amiga uma "alça sem mala", o emprego uma tortura, a escola uma chatice, o cinema se arrasta, o teatro nem pensar e ... até o passeio virou novela.

Outro dia, vi meu chefe reclamando que o banco dele pela internet estava demorando a dar o saldo, eu me lembrei da fila dos bancos e balancei a cabeça inconformado! Vi também uma moça abrindo um e-mail com um texto maravilhoso e ela o deletou sem sequer ler o título, dizendo que era longo demais.

Pobres de nós, meninos e meninas sem paciência, sem tempo para a vida, sem tempo para Deus!

A paciência está em falta no mercado, e pelo jeito, a paciência sintética dos calmantes está cada vez mais em alta. Pergunte para alguém, que você saiba que é "ansioso demais: 

Onde ele quer chegar e qual é a finalidade de sua vida? Surpreenda-se com a falta de metas ... com o vago de sua resposta.

E você? Onde você quer chegar? Está correndo tanto para quê? Por quem? Seu coração vai aguentar?

Se você morrer hoje de infarto agudo do miocárdio, acredita piamente que o mundo vai parar? A empresa que você trabalha vai acabar? As pessoas que você ama vão parar?

Será que você conseguiu ler até aqui?

Respire, acalme-se!

Vale lembrar que o mundo está apenas em sua primeira volta e com certeza no final do dia irá completar o seu giro ao redor do sol - com ou sem a sua paciência!

sábado, 4 de outubro de 2014

Meu valor ...

"Ás vezes, as pessoas nos tratam de maneira tão descartável que passamos a acreditar que somos exatamente isso - descartáveis. 

O jeito como o outro nos olha, acaba tirando de nós aquele brilho que levamos anos cultivando e você acha que ali perdeu tudo, só pela maneira como alguém te encarou. 

Eu também já me senti muitas vezes sem rumo, sem chão e sem valor. E foi fechando os meus olhos para os outros que eu descobri a verdade. 

Não importa a maneira vazia como os outros me enxergam, eles não sabem quem eu sou e não sabem nada sobre mim. 

O que é realmente importante nessa vida, é a maneira como Deus me encara!

Ainda que aquele olhar me desconcerte, Ele me olha como eu realmente sou, e me enxerga da maneira como me fez com amor, e ainda me devolve tudo o que é meu por direito".

- Camila Heloise

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Fragmentando ...

"É engano pensar que só existe saudade do que aconteceu. Existe saudade daquilo que quase ocorreu. 

Do que a gente sonhou e não realizou. Do que ficou pelo caminho por falta de insistência. 

Essa saudade é dolorida e tem gosto indefinido."

- Ita Portugal

sábado, 13 de setembro de 2014

Conselho

"Se eu posso te dar um conselho ... eis aqui: 

Não mendigue atenção de quem quer que seja. 

Não se esforce para compartilhar minutos com quem está mais interessado em coisas que não te incluem. 

Não prolongue a conversa apenas para ter o outro por perto, quando você perceber que precisa se esforçar bastante para que o monólogo vire um diálogo. 

Esqueça ... prefira a sua solidão genuína à pseudo presença de qualquer pessoa. 

Ainda digo mais: 

Perceba que existem pessoas que curtem dividir a atenção contigo sem que você precise desprender esforço algum. 

Aproveite o que te dão de livre e espontânea vontade e dispense o que te dão por força do hábito ou por pura conveniência ... esqueça o que não querem te dar. 

Pois cada um dá o que pode." 

Mario Calfat Neto

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Sem medo de errar ...

Eu nunca tive medo de errar, tinha medo de morrer sem saber se aquilo daria certo se eu nunca tentasse. 

Mirava no que eu acreditava e ia. A cada não que eu recebia, um novo impulso para frente, nunca para trás. 

Foi a minha teimosia que me fez quebrar a cara milhões de vezes e aprender as maiores lições da vida. E foi a mesma teimosia que me levou as maiores vitórias. 

Sou da legião dos que pegaram as armas para a batalha e se esqueceram do escudo. Já voltei para casa com feridas profundas de flechadas certeiras. 

Ainda me esqueço, ainda volto para casa com os mesmos ferimentos. Mas, já dizia o sábio "a flecha não acerta os covardes".

Camila Heloise

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

A difícil arte de esquecer

Como seria bom se fossemos capazes de esquecer com facilidade as ofensas que recebemos, os problemas que tivemos, as pessoas que amávamos e que se foram. Como seria bom se ao acordar conseguíssemos deixar para trás as mágoas, as indiferenças, as injustiças sofridas e todos os dias começássemos uma vida nova. Como seria bom se ao perdoarmos alguém fossemos capazes de esquecer o que esse alguém nos fez. 

Se a memória do passado não nos deixa pela sua própria natureza, cabe a nós, num enorme esforço de vontade, num auto desafio enorme, desenvolver a difícil arte de esquecer. E temos que fazer esse esforço pela razão para que possamos sobreviver com equilíbrio, pois do contrário viveremos remoendo um passado que já se foi e, como sabemos, jamais voltará. Se perdoar não basta para esquecer é preciso tentar esquecer para perdoar. E não é fácil. E quem disser que é fácil estará nos enganando.

Quantos casamentos, relações afetivas, empregos, carreiras e mesmo vidas foram jogadas fora pela nossa incapacidade de esquecer ofensas, muito graves ou menos graves, e que não conseguimos despejar de nossa memória. Você mesmo será capaz de apontar, em conhecidos, amigos e em você mesmo, várias situações onde ninguém ganhou, todos perderam, pela incapacidade de esquecer.

Procure fazer um esforço - mesmo que seja imenso - para esquecer as ofensas, as mágoas, as injustiças, as calúnias, os maus-tratos, as caras feias, as indiretas, e um triplicado esforço para perdoar quem fez tudo isso que não sai da sua memória. Não será fácil. Você terá que reconhecer essas memórias todas e uma por uma jogá-las num arquivo morto e se esquecer até de onde as arquivou. 

Não faça da sua vida um eterno remoer, um eterno desejo de vingança, um eterno sofrer por um passado que já se foi.

Pense nisso. Sucesso!

Luiz Marins

terça-feira, 8 de julho de 2014

6 anos de "Meus Fragmentos"

Fala pessoal, belezinha?

Hoje o blog completa seis aninhos de existência. Confesso que tenho deixado ele um pouco de lado, mas em breve estarei mais presente.

Chego à conclusão depois de tantos anos postando aqui, que podemos acreditar que tudo que a vida nos oferecerá no futuro é repetir o que fizemos ontem e hoje.

Mas, se prestarmos atenção, vamos nos dar conta de que nenhum dia é igual a outro. Cada manhã traz uma benção escondida; uma benção que só serve para esse dia e que não se pode guardar nem desaproveitar.

Se não usamos este milagre hoje, ele vai se perder.

Este milagre está nos detalhes do cotidiano; é preciso viver cada minuto porque ali encontramos a saída de nossas confusões, a alegria de nossos bons momentos, a pista correta para a decisão que tomaremos.

Nunca podemos deixar que cada dia pareça igual ao anterior porque todos os dias são diferentes, porque estamos em constante processo de mudança.

Eu tenho mudado muito, não sou mais o mesmo desde a minha primeira postagem aqui e quem me acompanha a mais tempo, deve ter percebido isso. 

Mudar é um processo na maioria das vezes lento e doloroso, mas também proveitoso; se evoluirmos diante das dificuldades que enfrentamos nesta vida louca e ao mesmo tempo apaixonante!

Desejo à você, que aproveite esta benção milagrosa que é viver e que continue aqui comigo, me desvendando em "Meus Fragmentos".

domingo, 6 de julho de 2014

Pense nisso!

Muitas vezes, a felicidade incomoda os tristes; o sucesso incomoda os que lutam sem resultados; os que amam incomodam os que se decepcionaram e os que sonham incomodam os que já perderam a esperança.

Se você faz parte do grupo que está incomodando, não se abata com as críticas. Desfrute de suas conquistas.

Se você pertence ao grupo que fica incomodado, saiba que você também nasceu pra viver muitos momentos felizes, nasceu pra vencer, para amar e sonhar.

Suas decepções podem ter lhe tirado a alegria por algum momento, mas elas não tem, a menos que você permita, o poder de roubar o seu futuro.

Ainda há muito água pra correr e sempre é tempo de recomeçar.

domingo, 22 de junho de 2014

A Causa de Tudo

A gente complica demais a vida com as pequenas preocupações. A preocupação gera ansiedade, a ansiedade gera sofrimento, o sofrimento gera sentimento ruim e negativo, o sentimento ruim e negativo gera dor, a dor gera lágrima, a lágrima gera melancolia, a melancolia gera tristeza, a tristeza gera solidão, a solidão gera ferida, a ferida gera cicatriz, a cicatriz gera mágoa, a mágoa gera um buraco escuro dentro da alma. É um ciclo sem fim e só quem pode cortá-lo é você mesmo. 

Ninguém disse que é fácil romper ciclos e fazer mudanças definitivas. O processo é longo, o trabalho é árduo e muitas vezes doloroso. Você está condicionado a agir de uma determinada forma durante um determinado tempo. Não é simples pegar uma tesoura e cortar todos os males e medos pela raiz. Se assim fosse os divãs não estariam sendo disputados a tapa. 

Temos que aprender que a vida é para ser simples e boa. Sem tanto rancor, sem tanta revolta, sem tanta disputa. Há muito para conhecer, há tanto para aprender, há inúmeras formas de trocar um pensamento ruim por um bom. Quando algo que você não quer surgir na sua mente modifique na hora esse pensamento. Não dê corda, trela ou faça sala para ele, senão você sabe: ele chama toda a família para passar uma temporada na sua cabeça. E ninguém precisa conviver com um time de antipáticos fazendo farra, falando alto e tirando o seu sossego.

Só porque uma coisa não aconteceu da forma que você queria não quer dizer que ela não seja positiva e traga bons ensinamentos. A gente aprende com tudo que acontece, por mais que agora você acredite que esse perrengue todo é terrível, que você está sofrendo por demais, que sua vida está um lixo. Espere, respire, inspire, transpire, faça uma imersão nessa loucura, nesse desgaste, nessa dor, nessa onda forte. Depois você vai olhar para trás e perceber que sobreviveu, saiu mais forte, é valente, corajoso, tem fibra, garra e é capaz de superar qualquer dificuldade. 

Nada é tão difícil quanto se apresenta num primeiro momento. E tudo, tudo tem um jeito. Mas entenda: nem sempre é o seu jeito. A gente vai se adaptando ao que a vida nos apresenta. Só que a escolha sempre será minha, sua ou nossa. Isso ninguém nos tira.

Clarissa Corrêa

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Recomeçar do zero

Você já quis ter uma borracha especial para apagar algo que fez, que aconteceu, algo que doeu tão fundo ou teve consequências tão graves que você daria tudo para voltar atrás e recomeçar?

Há muitos que dariam tudo na vida para recomeçar do zero, ter uma nova oportunidade para agir diferente, tomar outras decisões, fazer diferentes escolhas. E eu sei que muita gente já recomeçou uma nova vida, já deu uma volta importante que fez com que os caminhos mudassem de direção e isso sempre é possível.

Mas não é possível recomeçar do zero. Recomeçar do zero não existe! Não existe fingir que não houve um passado e não estar ligado a ele de alguma forma. Não existe zerar o coração, nem as emoções, mesmo se passássemos nosso tempo voltando os ponteiros do relógio.

A verdade é que se pudéssemos recomeçar do zero, numa amnésia existencial, cometeríamos erros novamente, choraríamos de novo ... porque não traríamos conosco essa carga de experiência que carregamos hoje, que às vezes até pesa, mas é nossa e isso não podemos negar, nem renunciar.

E é melhor assim: acreditar que tudo o que fizemos valeu de alguma forma. Erramos? Sim, e daí? Aquilo que reconhecemos como erro não faremos novamente e cada vez que tropeçamos e aprendemos com isso, colocamos algo mais na nossa bagagem da vida.

Lamentar por algo que não se teve? Que perda de tempo! As lamentações pelo que não fizemos não acrescentam nada na nossa vida. Precisamos viver de coisas concretas, do que realizamos, do que tivemos, mesmo se as perdemos. 

Quem nos julga deveria julgar-se primeiro.

Ninguém é de todo bom e de todo mau. Não existem pessoas melhores que as outras, apenas as que ainda querem aprender e as que já perderam a esperança. Quem não chora por fora, chora por dentro, a diferença é que nesse caso ninguém percebe.

É possível recomeçar a vida, com novas ambições, fazer do velho, o novo e com uma grande vantagem: dessa vez existirão os parâmetros de comparação, as chances serão maiores de tomar decisões acertadas.

Então, acredite: tudo o que você viveu até agora valeu a pena porque é dessa vivência que você tira seu aprendizado. Não importa a sua idade, você pode fazer sua vida diferente ainda, você pode olhar o mundo com olhos novos.

Deus não condena ninguém. São as pessoas mesmas que nos condenam quando cruzam os braços, imobilizam as pernas e colocam uma venda nos olhos.

A vida continua, mesmo se muitos desistem. E ela é muito mais rica para aqueles que abrem os braços ao futuro, dão as mãos ao passado e recomeçam. Essas pessoas jamais se sentirão sozinhas.

Letícia Thompson

terça-feira, 22 de abril de 2014

Utilidade

A utilidade é uma coisa muito cansativa. Você ter utilidade para alguém, é uma coisa muito cansativa. 

É interessante você saber fazer as coisas, mas acredito que a utilidade é um território muito perigoso porque, muitas vezes, a gente acha que o outro gosta da gente, mas não. 

Ele está interessado naquilo que a gente faz por ele. E é por isso que a velhice é esse tempo em que passa a utilidade e aí fica só o seu significado como pessoa. Eu acho que é um momento que a gente purifica, né? É o momento em que a gente vai ter a oportunidade de saber quem nos ama de verdade.

Porque só nos ama, só vai ficar até o fim, aquele que, depois da nossa utilidade, descobrir o nosso significado. 

Por isso eu sempre peço a Deus para poder envelhecer ao lado das pessoas que me amem. Aquelas pessoas que possam me proporcionar a tranqüilidade de ser inútil, mas ao mesmo tempo, sem perder o valor. 

Quero ter ao meu lado alguém que saiba acolher a minha inutilidade. Alguém que olhe pra mim assim, que possa saber que eu não servirei pra muita coisa, mas que continuarei tendo meu valor. 

Porque a vida é assim, fique esperto, viu? 

Se você quiser saber se o outro te ama de verdade é só identificar se ele seria capaz de tolerar a sua inutilidade.

Quer saber se você ama alguém? Pergunte a si mesmo: Quem nessa vida já pode ficar inútil pra você sem que você sinta o desejo de jogá-lo fora? É assim que descobrimos o significado do amor. 

Só o amor nos dá condições de cuidar do outro até o fim. Por isso eu digo: feliz aquele que tem ao final da vida, a graça de ser olhado nos olhos e ouvir do outro: 

- "Você não serve pra nada, mas eu não sei viver sem você".

Fábio de Melo

domingo, 20 de abril de 2014

Rancor ...

Fala pessoal, belezinha?

Hoje fazem dois anos, sete meses, seis dias, dez horas, trinta minutos e alguns segundos que eu tenho guardado rancor. 

É fato que, por mais que eu saiba que este sentimento seja ruim e destrutivo, não tenho conseguido grandes avanços positivos neste quesito, pois tenho memória forte para certos assuntos; ainda mais quando estes envolvem falta de critério e empatia da parte de alguns. Doses de interesses particulares e o medo de lutar por algo justo, foram o tempero exato dos acontecimentos.

Eu quero me livrar deste rancor que vem ficando velho a cada ano. Durante todo esse tempo eu não soube como descansar este passado. Quero voltar a ser suave e resolvido, limpo como uma lousa e libertado deste sentimento.

Como uma casa abandonada, coberta de poeira e mobília ainda intacta ficou a minha vida anterior a estes fatos. Me pergunto: Se eu a visitar agora, voltando a fazer as coisas como antes ... teria realmente prazer em reviver isto simplesmente de maneira gratuita?

Não sei se valeria a pena o desgaste ... queria mesmo era estar pronto para derrubar esta carga que venho levando por mais tempo que eu deveria suportar, gostaria de esquecer ... mas por enquanto não dá!

sábado, 5 de abril de 2014

Fragmentando ...

Fala pessoal, belezinha?

Acabei mudando ... e muito! E foi mudança aos poucos, porque até hoje me dou conta de coisas minhas que já não estão mais lá e, quem roubou, eu jamais vou saber de fato. O sorriso mudou e a vontade de sorrir pra qualquer pessoa também. É incrível como tanta coisa acontece com a gente. Tanta pessoas passam por nossa vidas, mas poucas delas realmente ficam.

Eu sei que, talvez, eu tivesse que ficar triste. Talvez eu tivesse que continuar secando lágrimas, abraçando o vento e rindo no vácuo, mas o fato é que eu não consigo. Aprendi com os meus próprios erros que sofrer não torna nada mais poético, chorar não nos deixa tão aliviados e implorar não resolve nada.

Só espero que a força do medo que tenho não me impeça de ver o que anseio, que a morte de tudo em que acredito não me tape os ouvidos e a boca, porque metade de mim é o que eu grito mas a outra metade é silêncio.

domingo, 23 de março de 2014

Aprendizado


Tenho aprendido, durante a queda...

Que a gente percebe à altura em que estávamos. Até mesmo o tamanho da expectativa que criamos fica evidente durante a queda.

E é de cara no chão que aprendemos a não fazer de novo. Ou ao menos não 'subir' tão alto.

Aprendemos a ter medo de altura, talvez.

Aprendemos a ter sempre um dos pés no chão! Ou os dois ... ou simplesmente gostar mais da terra firme. 

Do concreto.
Thalita Souza

domingo, 16 de março de 2014

Sensibilidade ...

Ser sensível nesse mundo requer muita coragem ... muita!

Todo dia. Esse jeito de ouvir além dos olhos, de ver além dos ouvidos, de sentir a textura do sentimento alheio tão clara no próprio coração e tantas vezes até doer ou sorrir junto com toda sinceridade. 

Essa sensação, de vez em quando, de ser estrangeiro e não saber falar o idioma local, de ser meio ET, uma espécie de sobrevivente de uma civilização extinta.

Essa intensidade toda em tempo de ternura minguada. Esse amor tão vívido em terra em que a maioria parece se assustar mais com o afeto do que com a indelicadeza.

Esse cuidado espontâneo com os outros. Essa vontade tão pura de que ninguém sofra por nada. Esse melindre de ferir por saber, com nitidez, como dói se sentir ferido.

Ana Jácomo

domingo, 23 de fevereiro de 2014

Sentimentos ...

Se eu disser pra você que hoje acordei triste, que foi difícil sair da cama, mesmo sabendo que o sol estava se exibindo lá fora e o céu convidava para a farra de viver, mesmo sabendo que havia muitas providências a tomar, acordei triste e tive preguiça de cumprir os rituais que faço sem nem prestar atenção no que estou sentindo, como tomar banho, colocar uma roupa, ir pro computador, sair pra compras e reuniões – se eu disser que foi assim, o que você me diz? 

Se eu lhe disser que hoje não foi um dia como os outros, que não encontrei energia nem pra sentir culpa pela minha letargia, que hoje levantei devagar e tarde e que não tive vontade de nada, você vai reagir como?

Você vai dizer “te anima” e me recomendar um antidepressivo, ou vai dizer que tem gente vivendo coisas muito mais graves do que eu (mesmo desconhecendo a razão da minha tristeza), vai dizer pra eu colocar uma roupa leve, ouvir uma música revigorante e voltar a ser aquela que sempre fui, velha de guerra.

Você vai fazer isso porque gosta de mim, mas também porque é mais um que não tolera a tristeza: nem a minha, nem a sua, nem a de ninguém. Tristeza é considerada uma anomalia do humor, uma doença contagiosa, que é melhor eliminar desde o primeiro sintoma. Não sorriu hoje? Medicamento. Sentiu uma vontade de chorar à toa? Gravíssimo, telefone já para o seu psiquiatra.

A verdade é que eu não acordei triste hoje, nem mesmo com uma suave melancolia, está tudo normal. Mas quando fico triste, também está tudo normal. Porque ficar triste é comum, é um sentimento tão legítimo quanto a alegria, é um registro de nossa sensibilidade, que ora gargalha em grupo, ora busca o silêncio e a solidão. Estar triste não é estar deprimido.

Depressão é coisa muito séria, contínua e complexa. Estar triste é estar atento a si próprio, é estar desapontado com alguém, com vários ou consigo mesmo, é estar um pouco cansado de certas repetições, é descobrir-se frágil num dia qualquer, sem uma razão aparente – as razões têm essa mania de serem discretas.

“Eu não sei o que meu corpo abriga/ nestas noites quentes de verão/ e não me importa que mil raios partam/ qualquer sentido vago da razão/ eu ando tão down...” Lembra da música? Cazuza ainda dizia, lá no meio dos versos, que pega mal sofrer. Pois é, pega mal.

Melhor sair pra balada, melhor forçar um sorriso, melhor dizer que está tudo bem, melhor desamarrar a cara. “Não quero te ver triste assim”, sussurrava Roberto Carlos em meio a outra música. 

Todos cantam a tristeza, mas poucos a enfrentam de fato. Os esforços não são para compreendê-la, e sim para disfarçá-la, sufocá-la, ela que, humilde, só quer usufruir do seu direito de existir, de assegurar seu espaço nesta sociedade que exalta apenas o oba-oba e a verborragia, e que desconfia de quem está calado demais. 

Claro que é melhor ser alegre que ser triste (agora é Vinícius), mas melhor mesmo é ninguém privar você de sentir o que for. Em tempo: na maioria das vezes, é a gente mesmo que não se permite estar alguns degraus abaixo da euforia.

Tem dias que não estamos pra samba, pra rock, pra hip-hop, e nem pra isso devemos buscar pílulas mágicas para camuflar nossa introspecção, nem aceitar convites para festas em que nada temos para brindar.

Que nos deixem quietos, que quietude é armazenamento de força e sabedoria, daqui a pouco a gente volta, a gente sempre volta, anunciando o fim de mais uma dor – até que venha a próxima, normais que somos.
Martha Medeiros

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Simples assim!

"Eu gosto de olhos que sorriem, de gestos que se desculpam, de toques que sabem conversar e de silêncios que se declaram."

domingo, 2 de fevereiro de 2014

Esperança em meio ao caos

Fala pessoal, belezinha?

Estamos em pleno verão aqui no Brasil e o calor excessivo tem sido de certo modo angustiante. Sempre gostei do verão, mas ultimamente tenho revisto meus conceitos, acredito que ‘tudo o que é demais é peso’, como dizia a minha já falecida sogra.

Estou sentado junto à mesa com meu notebook escrevendo estas palavras e viajando em meus pensamentos. Estas viagens tem se tornado mais constantes a cada dia, pois quando se perde o foco na vida, a mente vagueia em busca de explicações, navega entre seus questionamentos e principalmente se culpa por escolhas erradas.

Vou me explicar melhor:

Quando tive a certeza que perderia meus privilégios batalhados por décadas na congregação à qual pertenço em 2011, eu tinha certeza absoluta que perderia o meu norte. E assim se deu!

Mergulhei para dentro de mim, me revirei todo, digeri tudo como se tomasse um cálice do mais poderoso veneno existente. Provei doses extremas. Como consequência: adoeci, me encurvei, senti dores excruciantes, vi a insanidade se tornar babá até mesmo de meus sentimentos mais nobres, mergulhei na tristeza e me despedi da vida até finalmente morrer. 

E em meus instantes finais, com o último suspiro ainda preso em meus pulmões, eu também tive certeza absoluta que seria difícil demais ressuscitar.

É incrível como podemos ser autodestrutivos em alguns momentos. Mas você deve estar se perguntando: “Por que você não seguiu em frente, ou deu a volta por cima, ou não mandou tudo de vez pelos ares? Afinal, a vida continua!”

Minha resposta? Sim, a vida continua!

Mas, mesmo sabendo deste fato, continuei ali deitado, inerte ... morto!

Às vezes penso em quantas pessoas diariamente se veem em momentos semelhantes a este. Na maioria das vezes suas vidas sofrem mudanças tão abruptas que elas não conseguem dimensionar como será o minuto seguinte, a hora seguinte, os dias e meses seguintes. Enfim, a vida daquele momento em diante.

Pode ser que alguém muito importante em sua vida esteja severamente doente e morra, ou pode ser a perda de um emprego, a descoberta de uma doença debilitante. Tudo isto por si só pode tirar a estrutura e o bom senso de alguém. Eu passei por tudo isto de vez!

Meu sogro enfartou, adoeceu e posteriormente veio a falecer. Perdi meu emprego de anos, sem antes descobrir que estava com uma severa doença nos olhos, e para culminar todo o processo, tomei uma decisão errada em um momento de desespero, o que resultou na perda de meus privilégios. Foi como avistar um oásis em meio ao deserto que estava passando. Um convite, uma festa de casamento e menos de três meses depois, tudo em que eu baseava minha vida foi parar no ralo.

Gostaria de lhes dar boas notícias, mas não é o caso ainda neste quesito. Sim, segui em frente respondendo à sua pergunta.

Após três anos, tenho hoje um emprego que gosto muito. Minha visão foi restabelecida e a dor pela perda de meu sogro ainda persiste, mas sem nos angustiar, afinal, ele era um homem bom, muito bom!

Mas ainda não ressuscitei para as coisas que realmente me davam real prazer na vida. As coisas que me moviam e estimulavam. As coisas espirituais! O ano de 2011 foi um divisor de águas em minha vida espiritual. Sinto saudades de como eu era antes de tudo isso, da fé e alegria que eu tinha antes e dos meus objetivos.

Hoje, por mais que eu persista fortemente, me sinto muito vazio e sem foco, pois minha vida toda se baseou nesta vida que escolhi para viver. Mas, mesmo assim eu persisto e tenho esperança de que coisas boas ainda virão pela frente, até porque afinal, a vida é feita de recomeços, mesmo que tardios.


Desejo a você que sempre visita o Blog, que não perca a esperança em meio ao caos que em alguns momentos aflige as nossas vidas. Viver às vezes pode ser bem complicado, mas o viver em si é algo maravilhoso. Não esqueça: A vida é um presente lindo e quem lhe deu este presente não aceita devoluções.

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Renovação Diária

Nem sempre a realidade se apresenta na forma daquele lindo sonho. Mesmo sem querer, criamos expectativas para tudo na vida. Todo mundo espera pelo príncipe encantado, pelo trabalho dos sonhos, pela família de comercial de margarina light, pelo cabelo da modelo no comercial de shampoo, pelos milagres prometidos nas capas de revista. 

Mas o dia a dia pode ser duro, o mundo real pode se mostrar um pouco mais cruel que os sonhos adocicados. Frequentemente esquecemos que a perfeição só existe naquele filme que está em cartaz no cinema pertinho da sua casa.

Não entendo essa nossa mania desumana de querer que tudo seja sempre especial, único e intenso. A rotina não tem nada de bonita. As pilhas e pilhas de relatórios em cima da sua mesa só acumulam. O cachorro continua fazendo xixi na perna do sofá. O telefone continua sem tocar. Você segue esperando alguma coisa boa cair do céu no seu colo macio e sedoso. 

Será que o erro não está aí dentro? Será que não é a hora certa de rever atitudes, pensamentos e conceitos? Será que não estamos querendo um mundo ideal e por vezes esquecemos que muitas coisas estão, sim, em nossas mãos e que outras tantas não dependem de nós? Será que esquecemos que, sendo seres imperfeitos, não podemos cobrar a perfeição dos outros? Será que não queremos frios na barriga diários, fogos de artifício e trilhas sonoras para momentos simples? Será que não estamos cegos?

Coisas boas acontecem todos os dias, é só abrir os olhos e o coração para a infinidade de pequenas alegrias. Não adianta buscar emoção, sonho e fantasia se você não sabe fazer um momento aparentemente simples virar especial. Tudo está dentro de nós e eu te garanto que isso não é papo para boi dormir.

Não espere grandes acontecimentos, aprecie tudo que a vida oferece com um sorriso no rosto. Não espere uma cena de filme ... faça e viva a sua vida da forma que puder e souber.

Mas entenda que os melhores momentos acontecem quando estamos distraídos ... pensando que a vida do outro é bem mais interessante que a nossa. 

Clarissa Corrêa

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Fragmentando ...

Eu tenho pensado nas pessoas que me somam. Naquelas que perdem seu tempo e energia comigo, insistindo de várias formas, para que o meu riso seja constante e as preocupações, pequenas. 

Naquelas pessoas que me pegam pela mão e me ajudam a atravessar abismos. Eu tenho pensado nas pessoas que fazem abrigo no coração, pra eu morar.

Naquelas que tecem milhares de sorrisos no meu rosto. Naquelas que constroem inúmeras certezas em cima do meu medo. Naquelas que falam bonito, depois de uma tempestade emocional desabar sobre o meu quintal. Naquelas que plantam pés de esperança, no vaso de entrada, pra encantar meu olhar.

Tenho pensado nos últimos dias, em como Deus escolhe a dedo as pessoas que coloca perto da gente. E que, sem essas pessoas, as coisas seriam outras e a sorte, pequena. 

Tenho pensando nos últimos dias, em como Ele coloca uma luz, quando tudo parece não fazer sentido. Tenho aprendido muito. Tenho me enchido de luz. Tenho agradecido também, pelas coisas que alcancei, pelas mudas de sol postas no caminho, pelas pessoas luzeiras e sorrisos bonitos.

Tenho agradecido também pelas coisas feias que me atravancaram o caminho, mas que me tornaram mais forte e pronto para enfrentar a vida.

Tenho agradecido pelas ciladas do tempo, que só têm aumentado a minha fé e meu 'olhar com amor' para o mundo.

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Ei, você ... recomece!

Fala pessoal, belezinha?

Já que é o primeiro dia do ano, segue logo uma pergunta ... responda por favor:

- Porque será que as pessoas tem tanto medo dos recomeços, já que é a partir deles, que as coisas se tornam possíveis?

Complicado né? 

Quando analisamos o que significa recomeçar, encontramos uma boa definição: "refazer algo depois de uma breve interrupção". 

Entendo que, vez após vez, precisamos interromper nosso ativismo, até nossos planos, para nos alinharmos com a mente e a vontade de Deus para nossas vidas. Sim, por melhores intenções que tenhamos, tudo deverá ser movido de acordo com o que já está estabelecido por Ele pra nós.

Afinal, somente Deus, através de sua Palavra nos fornece o melhor mapa, a melhor bússola, o verdadeiro "GPS" para nos achegar à Ele. 

Como você já sabe ... temos um novo ano pela frente .... começou à pouco, e com ele muitas possibilidades de recomeços, a cada dia. Sendo assim, não tenha medo de viver o novo de Deus, não tenha medo de recomeçar, não tenha medo do novo!